O campus Petrolina Zona Rural do IF-Sertão lançou uma trilha ecológica dentro da caatinga. O objetivo, segundo professores e estudantes envolvidos no projeto, é promover conhecimento e sensibilizar os nativos a fazerem uso sustentável da flora nativa. 

Ao longo de 800 metros, é possível ver e reconhecer mais de 20 espécies de plantas exclusivas da caatinga, como a faveleira, a catingueira e o mulungu. Algumas delas, inclusive ameaçadas de extinção; a exemplo do umbuzeiro.

Trilha-ecologica-caatinga (3)

Flores e frutos da caatinga. Foto: Ascom/IF-Sertão

Como funciona a trilha ecológica?

O passeio é bem didático. O visitante inicia seu percurso em uma área degradada em processo de recuperação natural, onde são mostradas as consequências da exploração. “Em locais descampados, a temperatura do solo pode chegar a até 60ºC, fatal para micro-organismos e matéria orgânica”, relata o estudante de Agronomia Ipojucan Miranda, bolsista do projeto.

Em seguida, o trilheiro passa por um trecho de vegetação recuperada e finaliza a rota pela mata fechada. “Quando a gente vê problemas como desmatamento, retirada indiscriminada de madeira para indústria, surge a ideia da educação ambiental como uma saída. A gente recebe as visitas, mostra a importância de cada planta, relata para que serve, como o sertanejo usa, qual a dificuldade de ela crescer, se ela só é encontrada na caatinga”, adicionou Ipojucan. Para ele, o passeio é transformador e ajuda a desmistificar a ideia de que a caatinga é um ecossistema pobre.

Quem faz o passeio também pode levar mudas para casa. O viveiro do projeto disponibiliza exemplares de mulungu, angico, carnaúba, juazeiro e sete cascas. Além disso, há um banco de sementes, atualmente com 32 espécies, sendo algumas somente para mostra e outras para doação.

Como fazer a trilha ecológica (ou solicitar mudas e sementes da caatinga)?

Trilha ecológica pela caatinga dentro do IF-Sertão

Foto: Ascom/IF-Sertão

É preciso agendar a visita ao projeto através do e-mail trilhaecologicaIF@hotmail.com. Para grupos, há limitação máxima de 20 pessoas. A visita dura cerca de 90 minutos e é recomendado aos visitantes roupa e sapato fechados, boné, água e protetor solar.

“Podemos ter algumas situações como o aparecimento de cobras e aranhas, que se camuflam na vegetação, além de espinhos das plantas, principalmente a faveleira que provoca irritação”, alertou a professora responsável pelo projeto, Elizângela Souza.

As informações são de Inês Guimarães / Ascom IF-Sertão.

Bônus: uma trilha ecológica pela fauna da caatinga

Foto: Juciana Cavalcante.

Crianças no Zoológico do 72º BIMTz/Petrolina (PE).

As principais espécies da fauna da caatinga estão reunidas no Parque Zoobotânico da Caatinga, localizado no 72º Batalhão de Infantaria Motorizado do Exército (72º BIMtz), em Petrolina (PE). Numa área de 10.000 m², o Parque abriga 120 animais, entre eles, serpentes, jacarés, tartarugas, caititus, o carcará, a asa branca… Tudo em um ambiente amplo, confortável, seguro e bem sinalizado.

O Parque é aberto para visitantes de todas as idades e a entrada é gratuita. Grupos de duas ou três pessoas, e até mesmo visitantes individuais, são bem-vindos sem a necessidade de agendamento prévio. Grupos maiores precisam agendar a visita. Dependendo do tamanho do grupo, conforme a necessidade e disponibilidade, a visita poderá ser acompanhada por especialistas do exército (Fonte: Viva O Sertão).

_________

A caatinga é um bioma exclusivamente brasileiro. Ocupa 12% do território nacional,  abriga 932 espécies de plantas e 1.266 de animais terrestres, aéreos e aquáticos. E, ainda assim, é considerado o “patinho feio” dos ecossistemas do país. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, 46% de toda a área já foi desmatada.

Leia mais sobre a caatinga no Terroir:

O que você achou deste assunto? Comente!

Comentários