Os atores da gastronomia de Petrolina (PE), no Sertão de Pernambuco, surpreendem a cada dia com suas criações. Duas recentes, utilizando frutas da caatinga, chamaram a atenção nos últimos dias e valem o investimento. São elas: as geleias de maracujá da caatinga, umbu, uva branca e tinta da chef Geórgia Romero; e o molho de acerola picante, do chef Normandio Guimarães.

No Café de Bule é onde você vai encontrar as geleias, preparadas com técnicas avançadas de processamento de frutas e verduras. “Nós já fazíamos de pimenta, tamarindo e até picles de maxixe, mas era preciso buscar um padrão na elaboração, com segurança alimentar e estudo de validade, resultando em um item com pouco açúcar e sem aditivos ou consertantes. O curso, feito através do Sebraetec no Senai, nos trouxe esse conhecimento”, contou Geórgia.

Valorizando as Frutas da Caatinga

Ao optar por sabores fora do comum e típicos da vegetação do semiárido brasileiro, a chef mira na valorização dos ingredientes da caatinga. “O maracujá da caatinga, o umbu, são frutas sazonais e dificilmente são encontradas fora de época. E mesmo no período em que brotam naturalmente, também não são abundantes nos mercados, porque não tem procura do consumidor final. Quando [nós, chefs] começamos a fazer receitas a partir delas, o produtor se anima em produzir. É dessa forma que ressuscitamos o que é da nossa terra e reforçamos a vocação gastronômica do nosso Sertão”, declarou.

georgia romero frutas da caatinga

Foto: Chico Egídio.

A princípio, geleias do Café de Bule estarão à venda no empreendimento e serão usados em pratos do novo cardápio, a ser lançado em breve.  “Estamos pensando em harmonizações com carnes de carneiro, a carne de sol e as linguiças que também desenvolvemos. Até porque não queremos que as pessoas ‘aventurem no escuro’. Primeiro prova e, se gostar, leva para casa”, sugeriu Romero.

Assim que “pegar” entre os consumidores, o desejo da chef é que a iniciativa seja replicada na região e assim por diante. “Queremos que mais chefs se interessem em utilizar insumos caatingueiros e ansiamos por recriar o hábito de consumir essas frutas em nossa região. Depois, se Deus quiser, os produtos do Sertão serão distribuídos no mundo inteiro. Um sonho!”, disse Geórgia.

Frutas da Caatinga: Acerola Vira Molho Picante

Já o molho de acerola picante é lançamento da marca Chef Guimarães, famosa pelos molhos de pimenta que fazem sucesso nos bodes assados do Vale. Mas a receita não é novidade: nasceu há cerca de 10 anos, quando o cozinheiro estava à frente do saudoso Restaurante Maria Bonita, em Petrolina. Ácido, picante e cremoso na medida certa, o sauce servia de cama para um queijo coalho empanado em formato triangular. Uma entradinha gourmet, mas cheia de personalidade sertaneja, que segue como sugestão de consumo na embalagem.

frutas da caatinga acerola vira molho picante

A diferença é que, uma década atrás, o preparo era para uso quase que imediato na comedoria. “Em parceria com o curso de Tecnologia em Alimentos do IF-Sertão, desenvolvemos um produto com shelf life de mais de um ano e que, mesmo após esse período, ainda mantém cerca de 60% da vitamina C original. Foi emocionante para mim ter esse resultado, fiz uma viagem pela minha trajetória profissional”, conta o chef Guima, como é carinhosamente chamado na região.

O molho chega para celebrar, também, os dois anos da marca do cozinheiro empreendedor, que hoje dispõe de 15 itens. Entre os destaques, estão o que é feito à base de pimenta defumada (esqueça barbecue, este é ainda melhor para churrascos) e a geleia de abacaxi com pimenta. Vale ressaltar: todos os insumos vêm de uma propriedade rural do qual Guima é sócio, e que está localizada no Núcleo 4 do Projeto de Irrigação Senador Nilo Coelho, na Zona Rural de Petrolina.

O que você achou deste assunto? Comente!

Comentários